Seguir por e-mail

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Experiêncas Profissionais de Gretta Souza - 3º Encontro do Grupo de Estudos de POT

Olá!!! Hoje foi o 3º Encontro do Grupo de Estudos de Psicologia Organizacional e do Trabalho. Estavam presentes: Cleverth, Gretta, Lara e Marcos. O assunto discutido foi Experiências Profissionais, com o objetivo de aprender através das experiências alheias.

Como sempre, foi incrível. E quem dividiu suas experiências foi Gretta Souza.

Abaixo seguem trexos do grupo!!! Espero que gostem como nós gostamos!!!

Danielle: Gretta, conte-nos sobre sua experiência profissional. Como foi a sua escolha pela psicologia?

Gretta: Eu nuca tive dúvida que queria Psicologia, desde meus 12 anos, por aí. Fiz magistério para ter psicologia como disciplina. Depois entrei na faculdade, tendo dúvidas apenas nas outras opções que tinha que colocar no vestibular. No primeiro ano de faculdade já fui procurar algo dentro da psicologia a ser feito, como voluntária e batendo de porta em porta, em algumas escolas, consegui um emprego. Pensei em escolas devido ao magistério, achei que poderia conciliar as duas coisas e aprender bastante na área. Porém, foi muito mais que isso. Consegui um estágio extra curricular na área de excepcional. Inclusive, sempre fui atrás de estágios, de trabalho voluntário, sem esperar da faculdade, que só oferecia isto no último ano. Fui voluntária com excepcionais, depois com violência doméstica e depois ainda com hospitalar. Hoje sou voluntária na ABCC de combate ao Cancêr em Bauru há alguns anos. Depois que me formei, fiz especialização em Corporeaneo Reichiana.

Danielle: Você descobriu durante ou depois da faculdade que queria partir para a área clínica?

Gretta: No último ano de faculdade, já tinho feito arte terapia e comecei a fazer terapia corporal, que me encantou!

Danielle: Deve ser muito interessante esta área, pode nos contar melhor?

Gretta: Claro! Neo Reichiana vem do Lowen, depois de Freud, Alexandre Lowen, que trabalha com bioenergética, couraças musculares, bloqueios de energia, através de exercícios corporais e também da fala. Grupos de movimentos corporais, terapia individual.

Danielle: Como foi logo após a sua formação? Você tinha algo certo para trabalhar?

Gretta: Já tinha a Clínica junto com uma amiga que se formou primeiro e sempre acompanhou minhas buscas, meus estágios, etc. De certa forma, sinto que me formei segura pois já tinha tais experiências e nunca me faltou clientes. Estou formada há sete anos.

Danielle: Recordando aqui, estudamos juntas na USC e você acabou trocando de faculdade, foi para UNIP no decorrer do curso. Por quê?

Gretta: Eu sai da USC, porque meu pai e meu irmão, também universitários na época, coseguiram um bom desconto na UNIP. Porém, antes de sair da USC, pesquisei o que tinha em uma faculdade e o que não na outra, e assim vi que hospitalar eu não teria na UNIP, então, antecipei essa disciplina antes de sair da USC. Consegui fazer estágio voluntário no hospital da cidade de Agudos SP e foi maravilhoso. Até hoje o pessoal de lá fala do meu trabalho. Quando a gente sabe o que gosta, fica mais fácil. Depois, que fui para UNIP, minha turma conseguiu, através da minha insistência, confesso, oportunidade de fazer estágio nos hospitais de Bauru. E toda minha experiência anterior foi fundamental aqui. Enquanto cada aluno ficava com um caso, ou uma área, eu estava em vários locais dentro do hospital. Fiz projetos, atendia mais um dia, queria ter toda experiência possível antes da formação e realmente, pedia atenção aos supervisores e professores, é o respaldo que temos enquanto estudantes. Hoje trabalho com uma antiga professora, que me convidou para trabalhar com ela na clínica. Pegamos casos em comum, etc. Isso é gratificante!

Danielle: Logo que você iniciou na clínica já conseguiu clientes? Como foi?

Gretta: Sim! Eu comecei tendo dois clientes, que vieram de uma amiga. Depois outros que foram surgindo dos contatos dos estágios. Fiz cartas de apresentação e levei aos médicos e instituições. E fui atrás de mais clientes, de outros profissionais. Acredito muito no trabalho em equipe. Hoje faço parte de uma clínica com outros profissionais: dentista, fonoaudiólogo, terapeuta familiar e casal e fisioterapeuta. Aprendi muito com isso. Sempre quis trabalhar em equipe, mas com o tempo percebi que nem todos os profissionais da saúde querem isso. Também fiz algumas coisas em RH, poucas coisas.

Danielle: Você escreve para uma revista de adolescentes e faz Orientação Psicológica On-line. Pode contar?

Gretta: Sim. Sou consultora de revista para adolescentes e pais, são três anos. O interessante é que depois da revista todos os dias, TODOS OS DIAS, tem pessoas me procurando por e-mail e foi daí que surgiu a idéia de fazer as orientações on-line. Procurei o Conselho Regional de Psicologia para saber como poderia atuar nessa área, cobrar. Fui informada que teria que ter um site para intermédio. Fiz o site e em fevereiro recebi o credenciamento. Demorou um pouco, devido burocracias, são muito profissionais.

Danielle: Como estão suas orientações hoje? É viável o trabalho on-line?

Gretta: Tem sido bom, depois que participei de uma entrevista no Jornal da Cidade de Bauru e na TV Record, pessoas me procuram de outras cidades, como Garça, Sorocaba, Araçatuba, além de clientes antigos que mudaram de cidade e não querem abandonar. Mas tem que ter paciência, divulgar sempre, ir atrás mesmo. Eu quero trabalhar mais on-line, principalmente, agora que estou prestes a ter um bebê. Enfim.

Gretta também dividiu a importância de ter pulso firme na hora de negociar os honorários com os clientes, nos deixando o seguinte questionamento: Quanto vale a sua saúde psíquica???

Conhecer as experiências de Gretta fez o grupo entender a importância da determinação durante toda a vida, que não se pode esperar a formação para iniciar a batalha por um lugar no mercado de trabalho!

Obrigada, Gretta! Foi demais!!!

E até breve. O próximo encontro de POT é dia 05 de junho de 2010.
beijos...