Seguir por e-mail

terça-feira, 6 de julho de 2010

4º Encontro do Grupo de Estudos de POT - histórias sobre Currículos de Natália Matheus e Marcos Anibal

Olá!!! Ontem (05/07/2010) foi o 4º encontro do Grupo de Estudos de Psicologia Organizacional e do Trabalho, com a presença de Gretta Souza, Lara Ferreira, Marcos Anibal, Natália Matheus, Priscila Emílio e eu como mediadora.

Iniciamos com a apresentação de Natália, que participou do grupo contando sobre suas experiências no Projeto Currículo realizado no Unisalesiano de Lins SP com a minha supervisão.

O Projeto Currículo, como já comentei em outras postagens, foi elaborado com o objetivo de ajudar alunos formandos e comunidade na elaboração de um currículo profissional que atendesse as exigências do mercado de trabalho, além de dar dicas sobre como procurar o emprego ideal e de comportamentos na hora da entrevista, através de uma palestra informativa de 1 hora e 1/2 de duração e de um Plantão para atendimento individual e análise do currículo elaborado. Este projeto foi realizado no segundo semestre de 2008 e no ano de 2009. Segundo a Natália o projeto está parado desde que mudou a supervisora. Não se sabe se haverá continuidade.

Natália comentou que o Projeto Currículo foi uma experiência muito importante, tanto para os que participaram como para ela, e que a palestra mais marcante foi com uma turma da CEMIC (de jovens aprendizes de Lins) devido a forma de participação dos integrantes. Uma das coisas que mais ficou desta experiência, de acordo com Natália, foi ver a dificuldade das pessoas em discernir o que realmente é importante colocar no currículo e como colocar. Lamenta por não ter dado contnuidade ao projeto porque até hoje os alunos a procuram em busca de ajuda.

Uma das discussões surgidas no relato da Natália foi a questão das pessoas "mentirem" no currículo, colocar dados que não existem ou que não são exatamente como estão descritos. O grupo concordou que isso realmente acontece e que é melhor colocar a verdade no currículo mesmo que diminua as chaces de participarem de um processo de seleção, pois a empresa contratante acaba descobrindo a mentira e não contratando da mesma forma, além disso a pessoa fica "queimada" com o comportamento anti-ético. Segundo o grupo, a escolaridade é uma das coisas que as pessoas mais acabam mentindo por ser uma das competências mais exigidas atualmente.

Marcos deu continuidade a discussão contando suas experiências no Recrutamento e Seleção da UNILEVER, uma indústria de produtos alimentícios, de higiene pessoal e de limpeza, de grande porte localizada em Goiania GO. Relatou que nos currículos analisados por ele os homens eram os de menor grau de escolaridade, principalmente, sem o ensino médio completo. Disse que antes de recrutar para a entrevista de emprego questionava o candidato sobre o grau de escolaridade descrito no currículo e acabava identificando que muitos haviam mentido. Falou que os melhores operários eram os nordestinos e eles são os de menor grau de escolaridade o que pode dificultar unir formação com prática profissional. Segundo Marcos a avaliação começa na "porta", ou seja, no caso da UNILEVER, quando os candidatos vão preencher a ficha de emprego.

Uma outra experiência relatada pelo Marcos, que seria engraçada se não fosse trágica, rs, é a de ser vítima da falta de entendimento daqueles que não são contratados. Ele relatou duas histórias: de uma pessoa que saiu gritando pelo corredor da organização indignada por não ter sido selecionada (pois são os responsáveis pela área que escolhem os candidatos aprovados) e de outra que o ameaçou por telefone após ter entregue o currículo e não ter sido recrutado por não ter o grau de escolaridade exigido. Diante deste relato surgiu no grupo a discussão sobre como devemos comunicar as pessoas que não foram selecionadas e no consenso ficou estabelecido pelo grupo que a melhor forma é ser político, falar somente o que for necessário, sem detalhes e de preferência não pessoalmente. De acordo com o Marcos, sua equipe não teve grandes problemas porque era organizada e detalhista.

O grupo também discutiu sobre as diferentes reações das pessoas diante da notícia de que não foi selecionado, que podem ser de personalidade e cultural.

Conhecer as histórias de Marcos e Natália nos faz perceber que muitos são os detalhes que envolvem a elaboração e análise de um currículo. Para aqueles que estão elaborando fica a dica de que a verdade é a melhor maneira de obter sucesso na hora de ser recrutado e para os que irão analisar um currículo fica a dica de que checar os dados é a melhor forma de evitar futuros problemas no processo de seleção.

O próximo encontro será no dia 12/07/2010 às 14 hs pelo MSN psicorienta_danielle@hotmail.com com o tema Entrevista de Emprego com o Marcos como co-mediador da discussão.

Abraços a todos que nos seguem!!!