Seguir por e-mail

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Clark Kent e Superman - duas faces de uma mesma pessoa

Não, gente... não vou falar de heróis e nem de dupla personalidade, apesar que seria bem interessante falar sobre ambos. Vou falar de papeis, dos diferentes papeis que desenvolvemos cotidianamente, que nos fazem ser tantas "pessoas" ao mesmo tempo.

O papel é o personagem que fazemos de acordo com a situação vivenciada, por exemplo diante dos meus filhos eu assumo o papel de mãe, diante dos meus pais eu desempenho o papel de filha, no trabalho realizo o papel de Psicóloga, Professora mas poderia ser gerente e subordinada! Apesar de chamar de personagem, diferente da fixão, esse papel é bem real e é realizado de acordo com o que somos, da nossa personalidade, dos nossos valores e crenças! Mas é incrível como mudamos nosso comportamento quando realizamos papeis que estão do outro lado da mesma moeda.

Quem no papel de pai/mãe não fez exatamente aquilo que quando era filho(a) reclamava que os pais faziam??? Ou quem como professor(a) não se sentiu ofendido com a conversa dos alunos, sendo que quando aluno(a) falava muito em sala de aula??? Tenho muitos outros exemplos como este de comportamentos inversos que nos fazem parar para pensar com empatia: se colocar no lugar do outro para saber como ele se senti antes de agir.

Um outro ponto que eu acho interessante se tratando de papeis é que alguns deles nós não assumimos realizar, por inumeros motivos: medo do que as pessoas vão achar, das consequências que assumir este papel pode trazer, por não ter segurança se quer realizar mesmo este papel... E esse medo ou insegurança não tem muita relação com o papel ser algo positivo ou negativo para sociedade, mas com o impacto que ele causa na vida de uma forma geral. Se fizermos uma análise do Clark Kent em relação ao seu papel de herói, o Superman, poderíamos pensar que seria mais interessante assumir este papel e ser reconhecido pela glória de salvar o mundo e ter os "olofotes" voltados para si o tempo todo. Mas.... isso implicaria em não ter mais privacidade, ser alvo dos bandidos, estar a mercê de tudo e de todos mesmo quando não é preciso! Então... até que ponto vale a pena?!?!

Os papeis também trazem responsabilidades diante da sociedade, do outro, envolve não só valores pessoais, mais tradicionais e princípios que são universais. Além de muitos serem regidos pela ética, leis e regras sociais!!! Sendo assim cada papel que realizamos tem uma mistura do que somos e do que devemos ser, do que queremos e do que podemos fazer!!!

Mas... uma coisa é certa: a essencia destes papeis é a sua, vinda do seu caráter, daquilo que você realmente é. Por mais que você siga um modelo ou uma regra, no fundo, no fundo, aquele papel terá o seu jeito, a sua cara! Ninguém é melhor o papel do que pessoa!

Obs.: O título do post é uma homenagem a Vanderlei Padilha Jr. (@ThinkChristian1), amigo do Twitter já citado aqui no blog, que quando me conheceu indagou: @Daniellecfb é Clark Kent e @Psicorienta é Superman??? Respondi: Com algumas diferenças: prefiro ser Mulher Maravilha e assumir o meu papel! rs Um super beijo!!!

4 comentários:

  1. Ótimo texto! Muitas reflexões podem ser feitas a partir dele... Hoje é dia do ator, dia de "representar papeis"... Fechou perfeitamente!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Geniana!!! E que interessante ser o dia do ator, nem sabia!!! Foi um ato falho, kkk!!! bjs

    ResponderExcluir
  3. Amei o post, cada vez mais legais, sério!!! Sabe que já me peguei mais de uma vez fazendo algo que eu num gosto que meus alunos façam na faculdade. O ato de se colocar no lugar do outro é complicado quando não temos casos parecidos ou situações que passamos parecidas, mas é essencial para não manter o mundo só em torno do nosso umbigo! parabéns amiga, adorei! beijo grande ;)

    ResponderExcluir

Enriqueça o post com a sua opinião e experiência sobre o assunto.