Seguir por e-mail

domingo, 8 de maio de 2011

As Mamães e o Trabalho

Primeiramente, Feliz Dia das Mães a todos!!! Que este dia seja de comemoração, recordação, união, reconsciliação...

Aproveitando esse dia tão especial a todos nós, vamos refletir sobre como as mães vivem ou sobrevivem as rotinas familiar e profissional. Por experiência própria, posso garantir que não é fácil, rs! Para escrever esse texto mesmo, estou entre o computador e meus dois filhos de 6 e 2 anos, me solicitando o tempo todo para ajudar na tarefa, no desenho, na brincadeira... haja flexibilidade!!!

As mulheres conquistaram seu lugar no mercado de trabalho e provaram que suas competências não estão associadas ao seu sexo, mas a forma como utilizam seus conhecimentos, habilidades e atitudes. É claro que ainda existem funções que a fragilidade feminina e a força masculina se diferenciam, mas são excessões e não regras.

Essa crescente atuação das mulheres no mercado de trabalho, como aborda Alessandra Scorsafa em seu artigo Mãe e ser Mulher no Contexto Social e Familiar, "levou a conseqüências significativas em seu cotidiano. Esse processo social vem adquirindo uma dimensão estrutural no mundo contemporâneo, proporcionando, por exemplo, o aparecimento de métodos anteconcepcionais mais seguros, passando assim, o ter o poder seu próprio corpo e a possível gravidez, retirando de seu companheiro/esposo a decisão da procriação".

Uma outra alteração na rotina da mulher, foi a divisão dos trabalhos domésticos, hoje os companheiros são muito mais presentes nas rotinas familiares, cozinham, lavam louça, passam roupa, cuidam dos filhos, etc. Mas, mesmo assim, é como se os homens tivessem apenas fazendo um favorzinho as mulheres, as responsabilidades com o lar e com os filhos continuam sendo delas. Se alguma coisa some, fica suja, não é realizada, é a mulher que "paga o pato". Não que os homens sejam os únicos culpados por isso, não, as mulheres são as maiores responsáveis por essa condição. As mulheres se sentem nesse papel de Dona de Casa, a cobrança vem delas mesmas na maioria das vezes.

No site Administradores.com.br no dia 06 deste mês apresentou uma resportagem sobre as dificuldades que as mães encontram em conciliar o trabalho com a rotina familiar, e o texto apresentou uma pesquisa do Trabalhando.com que mostra que 57% das executivas têm dificuldade nessa conciliação, 34% dizem que a dificuldade está na falta de tempo para lidarem com os filhos.

As maiores dificuldades das mães com as rotinas do trabalho e da família, está realmente em suprir suas próprias espectativas como mãe, esposa e profissional. O tempo acaba sendo curto mesmo para que a mulher consiga realizar tudo o que deseja num dia. O equilíbrio entre as tarefas do lar e do trabalho é possível, mas exige muita organização, planejamento e determinação. Uma vez que a mulher encontra esse meio termo, com certeza realizará com mais qualidade ambas as tarefas.

Agora, não é nada fácil saber que seu filho ficou com febre em casa com a babá porque você tinha que ir a uma reunião de trabalho inadiável, ou por uma outra perspectiva, se esta reunião não fosse inadiável, com que cara essa mãe adia a reunião com a culpa que os problemas de casa estão invadindo o trabalho?

Pois é bem assim, as mães são extremamente exigentes consigo mesmas, por isso acabam se estressando com freqüência e ficando nesses dilemas existências de ser ou não ser uma boa mãe e ao mesmo tempo uma boa profissional. Mas, são essas vivências, esses dilemas, que transformam a mulher-mãe tão competentes em tudo que fazem e ganhando cada dia mais um lugar privilegiado no mercado de trabalho.

Abraçar o mundo não é possível, então, uma orientação que deixo as mães-trabalhadoras que trabalhem o suficiente para darem aos filhos o que eles necessitam e não o que eles querem; que não valorizem mais as atividades domésticas do que as atividades com os filhos; que tirem um momento para ficar sozinha, ir ao cabeleleiro, curtir o maridão... Não se cobrem demais!!! Apenas vivam cada coisa de uma vez!!!

E eu, vou me ouvir mais, rs... bjs

Referências