Seguir por e-mail

domingo, 1 de maio de 2011

Trabalho Enobrece o Homem?


Fonte: fotosearch
 Neste dia 1º de Maio, Dia Mundial do Trabalho, não resisti a criar um post que falasse sobre a importância que este tem na vida de todos nós. Para algumas pessoas o trabalho é tratado com tanto amor que são conhecidas como Workalovers; outras dão tanta importância ao trabalho que só fazem isso e são conhecidas como Workaholics; e outras ainda possuem aversão ao trabalho e são conhecidas por todos como "preguiçosas", "vagabundas" mas podem estar na verdade, com a Sindrome de Burnout.

Workaholic é uma expressão americana que vem da palavra alcoholic = alcoólatra, justamente porque significa que a pessoa é viciada no trabalho. Sua compulsão pelas atividades profissionais é tão grande que a pessoa não consegue se quer pensar em outra coisa. Tudo que faz é voltado para o trabalho, a família, diversão e amigos são planos secundários. Quando o Workaholic consegue um tempo para a família e amigos o seu principal assunto é o trabalho. Com isso, as pessoas do seu convívio acabam sendo as mesmas do trabalho, pois as demais não conseguem conviver com um Workaholic, é difícil competir com o trabalho dele o tempo todo. O Workaholic tem dificuldade em separar o trabalho da vida pessoal, então acaba trabalhando muitas horas por dia, finais de semana e provavelmente não tirando férias; assim não se casam ou se separam, não têm filhos ou não vêem os filhos crescerem. Mas, se o Workaholic perceber que está dando mais atenção ao trabalho do que deveria - e isso possivelmente só acontecerá se alguém lhe mostrar - ele poderá reverter essa situação, trabalhando com uma agenda, limitando o tempo de trabalho e determinando por dia atividades de lazer com a família e os amigos. Essa pessoa precisará muito da família nessa hora.

A Sindrome de Burnout é uma doença do trabalho e também é uma expressão americana que vem da junção de burn (queima) e out (exterior), representando que o trabalho é um risco para essas pessoas, porque o nível de stress é tão alto que elas "surtam" diante do seu "estressor" - O TRABALHO. As pessoas que possuem essa síndrome começam apresentar um comportamento irritadiço e agressivo, demonstrando não ter mais interesse pelo trabalho, chegando a não aparecer mais para trabalhar, sem se importar com as conseqüências disso. O sentimento de "aversão" é tão intenso que o trabalhador prefere as consequências de não trabalhar, do que enfrentar o trabalho. Geralmente, atinge pessoas extremamente exigentes consigo mesmas e que esperam dos superiores, colegas e clientes o reconhecimento do seu trabalho e não obtêem. A Sindrome de Burnout tem tratamento e é essencialmente psicoterapeutico, mas em alguns casos será necessário o uso de medicamentos (ansiolíticos ou antidepressivos). Uma vez diagnósticado nesta sindrome, o trabalhador tem direito por lei ao afastamento do trabalho até que tenha condições psíquicas para retornar.

Workalover apesar de ser uma expressão americana que significa apaixonado pelo trabalho, tem origem no Laboratório de Psicologia do Trabalho da Universidade de Brasília (UnB). Através de pesquisas neste laboratório, identificaram que existem pessoas que trabalham demais como os workaholics, mas que fazem isso por prazer, por gostar demais do que fazem. Por terem amor no trabalho, conseguem aproveitar bem seu horário de trabalho e quando terminam o expediente não têem a necessidade de continuar pensando ou falando sobre isso, diferente dos workaholics que ficam com a sensação de que sempre ainda possuem algo a realizar, não terminado. A sensação de dever cumprido a cada dia aumenta o desejo pelo trabalho, mas não cobra da pessoa que ela só faça isso e sim que ela tem o direito de realizar o que quiser, com quem quiser, porque já fez o trabalho naquele dia como deveria. Os Workalovers são pessoas bem humoradas, bem sucedidas, que demonstram paciência com as atividades laborais, não estão preocupadas com a quantidade mas com a qualidade das atividades, estão muitas vezes dentro de escolas, universidades, gestões de desenvolvimento e treinamento, pois o amor pelo que fazem é tão grande que sentem a necessidade de ensinar sobre a outras pessoas.

Enfim, o trabalho enobrece o homem porque proporciona a ele a sensação de que seus conhecimentos, experiências, habilidades e atitudes podem fazer a diferença para a empresa e o mundo de forma geral. Porém tudo tem limites e o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal é essencial, caso contrário o que era para enobrecer na verdade empobrece e adoece.

Se for possível escolha trabalho em algo que você ama, se não puder escolher, então, se apaixone pelo que faz!!! E parabéns pelo seus dia: TRABALHADOR!

Referências: