Seguir por e-mail

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Relações e Posses

Olá! Ontem ao ler o texto Dedique-se no blog http://hojesempree.blogspot.com/2010/07/dedique-se.html da minha amiga querida Meire, refleti o quanto as pessoas não se dedicam aos outros mais sim querem dominá-los com suas regras, desejos, ciúmes, desconfianças, inseguranças...

Lembrei-me de uma história ouvida há muito tempo cujo o autor nem sei quem é e o título, também desconheço, mas eu nomei:

O BOLO DE CHOCOLATE

Alguns podem até conhecê-la porque sempre que posso conto essa história nas aulas e treinamentos, mas aqui vai:

Um casal vivia junto havia mais de 10 anos, era um relacionamento estável e eles pareciam muito felizes. Porém como todo casal algumas coisas os diferenciavam e isso gerava desentendimentos entre eles.

A mulher era mais aberta e sempre dizia o que pensava, conseguia dividir com ele suas angústias. O homem já era uma pessoa mais fechada e geralmente não dava continuidade as discussões o que acaba gerando mais conflito entre o casal, porque a mulher queria que ele falasse, discutisse, pelo menos assim ela saberia o que passava pela cabeça dele.

Sempre que eles "brigavam" a mulher como uma prova de amor ou até mesmo arrependimento, fazia um lindo e delicioso bolo de chocolate para o marido. Pensando que ao comerem o bolo juntos poderiam conversar sobre os problemas de uma forma mais tranquila e amorosa. Mas, o marido, era indiferente ao bolo, ele comia um pequeno pedaço e aceitava sem discutir a atitude da mulher como um pedido de desculpas. Diante desse comportamento do marido, a mulher se indignava achando que comer um pequeno pedaço do seu lindo e delicioso bolo era mais uma provocação.

Um dia, depois de mais uma discussão, a mulher fez o bolo de chocolate para a reconciliação, deu um pedaço generoso ao marido, que agradeceu e comeu um pequeno pedaço. A mulher desta vez não aguentou e questionou o porque de sua atitude. O marido considerando o carinho da mulher, primeiro disse que não estava com fome, que acabara de jantar e tal, mas a mulher insistiu e chegou a acusá-lo de provocação. O marido com muito jeito disse que NÃO GOSTAVA DE BOLO DE CHOCOLATE, que desde de criança nunca comeu bolo de chocolate e que comia pelo menos aquele pequeno pedaço para não desagradá-la ou piorar a situação entre eles.

A mulher envergonhada se desculpou e depois de 10 anos de casada resolveu perguntar: e de qual bolo você gosta?

Moral da história: Amar significa conhecer, respeitar as diferenças. Se você não ama o que o outro é, não ama o outro!!!

Quando for dar um presente ao outro, dê o que ele quer receber e não o que você gostaria de ganhar! Esse pode ser o maior erro de uma relação.

Espero que tenham gostado! Eu amei dividir isso com vocês! bjs

6 comentários:

  1. Muito bom o texto e reflexivo. É verdade, na maioria das vezes, nao podemos negar, somos um tanto egoístas. Confesso que, ha um tempo atras eu achava que dar de presente o que eu gostaria de ganhar significava que eu queria o melhor pro outro, como alguem que dá o melhor pq é o que gostaria para si... Refletindo sobre isso... Nem sempre o que é bom pra gente é bom para os outros, ou todo mundo, sempre será desse jeito, pq temos nossas particularidades, graças a Deus! Imagine, se todos fossemos iguais?

    Adorei seu blog!
    Está de parabéns!

    bjs!
    JU
    http://gestaoepessoa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Dani. Às vezes deixamos o mundo girar tanto ao redor do umbigo que esquecemos do nosso próximo, que ele tem suas vontades tbm. Queremos que as pessoas sejam perfeitas, quando pessoas assim não existem, pois todos têm seus defeitos tbm. Arrasou no texto!!! beijoo grande amiga :)

    ResponderExcluir
  3. Ju e Meire, que bom que gostaram e deixaram aqui a opinião de vcs! Sem os meus amigos leitores não teria graça alguma postar aqui! Valeu msm! bjão

    ResponderExcluir
  4. É bom parar e refletir... Estamos sempre passando por situações parecidas. Afinal, somos diferentes e isso é bom, mas há necessidade de conhecer e amar o outro, senão caímos, todos, em situações de constrangimento.
    Muito bom! Refletindo e possibilitando mudanças.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi querida professora.

    Bom...tudo é uma questão de olhar...

    1º) Trocaria um marido que não gostasse de bolo de chocolate;
    2º) Trocaria novamente esse marido que não compartilha comigo quem ele realmente é, mas a propósito de agradar, reafirma o qto falta transparência nessa pessoa;
    3º) Bem denotativo o qto ele tem a compartilhar, apenas um pequeno pedaço;
    4º)Reafirma a sua total indiferença qdo ele prefere comer e se manter calado.

    Entendi a intenção do texto...mas não posso deixar de ler nas entrelinhas.

    ResponderExcluir
  6. Sonia e Maria Lúcia (que saudades minha aluna querida), obrigada! Sinto que nas relações muitas vezes esperamos do outro o que deveríamos fazer ou ser, então, talvez conhecer o outro mesmo quando este não se apresenta, ouví-lo mesmo quando este não fala, sentí-lo mesmo quando este não demonstra sentimentos, seja uma tarefa difícil, mas necessária!
    Maria Lúcia, como sempre você nos mostra um outro ponto de vista, que sinceramente, é uma boa escolha a se fazer, kkk.
    bjs

    ResponderExcluir

Enriqueça o post com a sua opinião e experiência sobre o assunto.