Seguir por e-mail

terça-feira, 17 de maio de 2011

Projetando o Cotidiano Universitário por Lucas Decarli

Solicitei aos alunos do 1º ano de Publicidade e Propaganda da Fema que projetassem através de fotos e mensagens a sua rotina dentro da faculdade, pessoas-chaves, lugares, objetos... Ficou um trabalho melhor do que o outro. Este que estou postando é do aluno Lucas Decarli, ele simplesmente foi INTENSO, observem.

Caso tenha dificuldade em ler os slides é só clicar na foto que ela fica maior.










Agradecimentos ao Lucas Decarli que disponibilizou seu trabalho.

7 comentários:

  1. Esse trabalho me trouxe lembranças da minha épica de faculdade, dos sonhos, do desejo de transformação, das amizades, viagens, amigos e professores. Realmente o ambiente universitário e maravilhoso, triste daquele que nao sabe aproveita-lo em toda sua plenitude, eu aproveitei. Parabens pelo trabalho e pelo post.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Luciano, obrigada por deixar seu comentário. Eu também sinto muita saudade da época da faculdade e de tudo que não consegui aproveitar por ter outros interesses naquele momento ou por não ter conseguido tempo/dinheiro, rs... Hoje falo tanto sobre isso com meus alunos, da importância de "sugar" dos professores tudo que eles podem oferecer, mas sabe como é, né, só com o tempo vão entender... bjão!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns ao Lucas por esse trabalho tão bem representado. Isso mostra que ele está sabendo transpor a porta da Classe 91 e está aproveitando muito bem.
    Parabéns a professora Danielle que tão bem soube orientar o seu aluno a transpor a porta da Classe 91, mostrando que ensinar é a sua missão.
    Sucesso a professora e ao aluno.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Odila!!!

    Este é o resultado de fazer as coisas com amor!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Quando ingressei na faculdade (FEMA), estava cheio de expectativas, havia passado em 1º lugar no vestibular e transbordava de ansiedade para o início do ano letivo. No começo tudo era lindo, todos (outros alunos) eram simpáticos, divertidos e muito comunicativos, mas como em qualquer outro lugar, sempre há quem não possua “desconfiômetro” e com o passar dos messes algo que parecia ser uma coisa, começou a revelar-se outra; completamente antagônica às minhas expectativas. Me refiro especificamente ao comportamento da maioria da classe, depois que o ano começou pra valer ficou evidente, ao menos ara mim, que +/- 35 dos 40 alunos que ali estavam, por mais cordiais que fossem como pessoas, estavam “ se lixando” para o curso, totalmente aquém do propósito e mentalidade esperados de um universitário. O barulho, a falta de interesse e comprometimento por parte dessas pessoas fizeram com que eu “criasse” meu próprio mundo como subterfúgio para aquela situação. Os professores passavam ½ da aula apenas tentando controlar a classe, nem parecia uma turma de faculdade, parecia 5ª série nas últimas aulas de sexta feira, detalhe, todos os dias!
    Mesmo assim me comprometi a aproveitar o curso que estava fazendo, e assimilei tudo quanto foi possível do conteúdo ministrado pelos professores. Bom, pra resumir minha saga até o momento, encontro-me cursando o 2º ano de publicidade e propaganda e tal como as catástrofes naturais, cuja dimensão dos danos causados só é possível mensurar após seu término, agora já distante da mentalidade de colegial posso refletir melhor sobre tudo que passei, muitos dos problemas encontrados não existem mais tal como, para minha felicidade, algumas pessoas que abandonaram o curso, entretanto, problemas e desafios continuam existindo e sempre vão existir, afinal o que seria da vida sem as adversidades que nos forçam superá-las e a evoluir com nossas próprias experiências todos os dias de nossa breve existência nesse mundo. Tenho certeza que daqui 10 anos, as pessoas que hoje me atrapalham e subjugam, nada mais terão que a culpa e arrependimento pelas escolhas mau feitas nessa fase decisiva da vida, muitos acabaram em empregos mecânicos sem relação alguma com sua formação, isso se chegarem a se formar.
    A essa altura, você leitor deve pensar que tudo é tragédia e pessimismo na minha vida, bom, em parte está certo, mas o tom sombrio de meu relato deve-se apenas aos sentimentos relacionados a essas memórias, os quais explorei para a produção do trabalho acima. Mas como para tudo na vida há uma força contrária e de mesma intensidade, alegro-me em dizer que descobri outras poucas pessoas, em meio ao caos, que compartilham ideais comuns as minhas e que estão comprometidas com o curso tanto quanto eu.
    Meus professores foram espetaculares no transcorrer do ano, é claro, nem todos merecem esse crédito, mas a maioria se saiu muito bem dando suas aulas para aqueles que tinham interesse.
    Por fim, agradeço sinceramente a Professora Danielle C. F. Barboza por seus ensinamentos ao longo do 1º ano do curso e por esse espaço em seu blog e para todos aqueles que se encontram desmotivados diante das adversidades, saibam que o tamanho dos obstáculos só depende do ponto de vista em que os vemos.

    Lucas D. D. S.

    ResponderExcluir
  6. É, Lucas, não é por acaso que o seu trabalho ganhou um espaço aqui no meu blog. Vc é especial! Obrigada por compartilhar tudo isso conosco e pelo carinho comigo. Tenho certeza que as pessoas que apreciaram o seu trabalho vão agora apreciar ainda mais! bjs

    ResponderExcluir
  7. Nossa, adorei o trabalho do Lucas, interessante demais *-*, só quem lê sabe o significado das palavras.

    Beijos..

    ResponderExcluir

Enriqueça o post com a sua opinião e experiência sobre o assunto.