Seguir por e-mail

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Pais e filhos versus Mercado de Trabalho

Olá!!! A Educação sempre foi uma das maiores preocupações dos pais, que desejam um futuro promissor para seus filhos. Muitas vezes investem em escolas particulares e cursos extras de idiomas, informática e agora o Kumon tem sido muito procurado, por ser um método individualizado de estudo autodidático, criado em 1958 no Japão, por um pai que queria o melhor para seu filho, como qualquer um de nós.

Todo esse investimento em educação, na verdade nada mais é, que tentar proporcionar ao filho "um lugar no Mercado de Trabalho" ou quem sabe fazer deste filho parte dos empregadores do Mercado de Trabalho. Sabe-se que a o conhecimento é uma das competências exigidas nos dias de hoje pelas organizações e a capacidade de se auto instruir vem de encontro com essa tendência.

Porém, também se sabe que o conhecimento é só uma das competências que o Mercado de Trabalho exige, além disso temos as habilidades para realização das tarefas, que envolve talento e treino e as atitudes e comportamentos, que envolvem a personalidade do indivíduo e sua capacidade de agir com proatividade diante das situações. Sendo assim, o que os pais tem feito para ajudar seus filhos?

Algumas pessoas terão mais facilidade para o sucesso profissional por ser um traço de sua personalidade características como: liderança, determinação, persistência e ousadia; outras pessoas precisarão desenvolver essas características diariamente através da resolução de problemas corriqueiros ou complexos. Portanto, os pais precisam pensar em dar mais autonomia para seus filhos. Deixar que as crianças comecem a decidir coisas do seu dia-a-dia, como por exemplo: o lanche que levarão a escola, a roupa que usarão para um passeio, o brinquedo que levarão na viagem, como gastar a mesada (claro que com orientações do tipo: escolha uma roupa nova de frio para sairmos - as palavras nova e frio indicarão o tipo de roupa que a criança deve escolher, mas não tirará dela a autonomia); também como deixar o adolescente escolher que curso universitário seguir, mesmo que depois dessa escolha, já lá na faculdade, ele resolva desistir. Tentativa e erro, sempre foi uma das melhores formas de aprendizado.

Uma outra coisa para se refletir é que os pais são modelos para os filhos, que desde de pequenos começam a perceber os fatores positivos e negativos da vida pelos relatos e comportamentos dos pais. Portanto, se o trabalho para os pais é um sacrifício, assim este pode ser visto como sacrifício pelos filhos; o mesmo se o trabalho for gratificante e recompensador.

A relação com o dinheiro também é um fator decisivo para o sucesso profissional. Pessoas que vêem o dinheiro como o fim e não como o meio, ou seja, estão focadas apenas no montante e não no que o dinheiro proporciona: sobrevivência, relações sociais, estima, bens materiais, realização de sonhos... podem acabar fazendo escolhas erradas, baseadas em status e não na realização do trabalho em si. Os pais devem estar atentos nos valores que apresentam aos seus filhos e na superficialidade em que vivem os momentos e os bens adquiridos. Crenças são repassadas de geração para geração: "tudo que vem fácil vai fácil", "de grão em grão a galinha enche o papo", "o olho do dono engorda o gado".

Enfim, não dá para garantir que os cuidados dos pais para os filhos vão proporcionar um futuro profissional de sucesso, porque na hora do vamos ver, são os filhos que terão que agir, usar todo esse investimento e orientações a seu favor; mas uma coisa é certa a probabilidade de sucesso é maior do que se os pais não fizerem nada para ajudar os filhos!!! Então, "melhor pecar pelo excesso do que pela falta"??? Também, não!!! O excesso de preocupação com o futuro dos filhos pode ser visto por eles como "pressão" e desenvolver uma ansiedade demasiada e uma insegurança quanto suas próprias competências, características essas que não colaboram para um bom lugar no Mercado de Trabalho.

Espero que tenham gostado!!! Deixem comentários, sugestões e quem sabe sua história profissional!!! Abraços!!!

Obs.: Tema do 12º do Grupo de Estudos de Psicologia Organizacional e do Trabalho realizado no mesmo dia da publicação.

Referências


11 comentários:

  1. Infelizmente muitos pais preocupam mais na formação profissional dos filhos e esquecem da formação do cidadão!“Todo mundo está 'pensando'
    em deixar um planeta melhor para nossos filhos...Quando é que se 'pensará'em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

    ResponderExcluir
  2. Danielle, o que eu penso ser importante na orientação profissional dos filhos é poder direcionar sem pressionar. Dar o que eles precisam e deixar que façam o seu próprio caminho com liberdade de escolha. Afinal, eles precisam ter suas próprias experiências. E confiar que tudo sairá bem.
    Amei seu texto! Trouxe-me reflexão acerca de meus filhos.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, permita-me...
    Maravilhoso esse teu trabalho, rico em argumentos importantes do nosso cotidiano. permita-me uma observação, sou do tempo que os filhos era da responsabilidade só da mãe pela necessidade do trabalho e do sumiço do pai, que tal bolar um trabalho abordando este assunto,obrigado pela oportunidade de me conceder a oportunida de aprender um pouco mais.
    Paz ao teu coração e seja feliz!

    ResponderExcluir
  4. Guilherme, Sonia e Gelci, obrigada por deixarem aqui a opinião de vocês sobre o texto e o tema. Sei bem que é um assunto delicado a educação dos filhos para mercado de trabalho e as opiniões se divergem, principalmente porque os pais tem a "melhor intenção do mundo" mesmo qdo erram. Mas, gosto de grandes desafios... não pensem que considero fácil colocar em prática tudo que é preciso para ajudar os filhos, principalmente porque como pais queremos no mínimo, que os flhos tem uma vida melhor que a nossa, e qdo vemos que eles estão indo para um caminho que parece não dar nisso, nossa, é angustiador!!!
    Gostei muito do que o Guilherme comentou em relação a deixarmos filhos melhor para mundo... isso é fundamental, o inverso da equação.
    Também, fiquei feliz com a sgestão de tema de Gelci, e vou elaborar um texto com muito carinho.
    Obrigada mais uma vez e bjs...

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do seu artigo. É uma forma de refletirmos a respeito do que podemos fazer para ajudar nossos filhos? Hoje sou também avó de um menininho de 3 anos e a minha reflexão sobre como educar continua.
    De modo geral os pais querem sempre o melhor para seus filhos.
    Infelizmente alguns deixam por alguma razão, a responsabilidade de educar seus filhos nas mãos das instituições e ainda cobram delas quando os filho não correspondem as suas expectativas.
    Cada lar possui sua dinâmica familiar. Cabe aos pais dentro dos seus valores, formar pessoas melhores como disse nossos amigos acima: Pessoas que se respeitem, que respeitem as pessoas, respeitem as diferenças, respeitem as plantas e os animais; enfim, ensinar a criança a questão da “ética cósmica”. Isto começa bem cedo, sendo os pais modelos para seus filhos.
    Acredito em parcerias: Instituição e família, juntos e conscientes na formação das crianças para que elas sejam futuro agentes transformadores para um mundo melhor.
    Educar nunca foi fácil e jamais será. A geração que chega, sempre trás um novo olhar.
    As instituições visam o aprimoramento das habilidades e principalmente a autonomia da criança. Mas do que adianta se dentro de seu lar, muitas vezes, a criança é tolhida na sua expressão, nas suas escolhas por serem crianças, ou vivem num lar permissivo ao ponto de manipular seus pais? É importante a parceria entre instituição e família, para que futuramente este ser em formação possa se reconhecer como agente autônomo e de transformação.

    ResponderExcluir
  6. Riselda, fico feliz com o comentário sobre o tema. Principalmente por saber que a sua reflexão a respeito da educação continua. Mesmo que não tendo filhos ou netos, esse será sempre um tema em questão, porque da educação depende o progresso e o futuro, não é mesmo?
    Essa união das insttuições e a família, realmente é muito importante, como se a casa fosse uma extensão da escola e a escola uma extensão da casa.
    Que bom que deixou sua opinião aqui! Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Boa reflexão, de fato é preciso dar liberdade de escolhas, mas também ensinar a ter responsabilidade!
    É o que tento fazer com meu filho de 12 anos...
    abr

    ResponderExcluir
  8. Como este tema é relevante! Queria ter participado do grupo de estudos. Penso que a inserção dos filhos no mercado de trabalho começa na formação de habilidades para realização de tarefas e atitudes de comportamento, e isto vai acontecendo naturalmente, desde bebê, enquanto os pais vão formando a criança cidadã, preparando-a para enfrentar o mundo.
    Além da minha experiência clínica, minha experiência pessoal como mãe, me assegura que é por aí mesmo que tudo começa. Alguns exemplos dos meus “métodos”: Aos 3, 4 anos, por aí, muitas vezes também permiti que usassem roupas que achava que não combinavam muito bem, ou não estavam muito adequadas à ocasião ou ao clima (aí levava uma outra peça na bolsa, mas que nunca foi usada...). Nada a ver com minhas sugestões, mas eram as suas escolhas. Cada uma por sua vez, quando fez 12 anos, passou a receber a pequena mesada na sua própria conta corrente, aprendendo que precisavam economizar até o próximo mês, deixar o saldo para a CPMF que existia na época, a poupar, etc. Os desejos de consumo, eram listados e classificados por ordem de prioridade, necessidade, etc. Assim, foram aprendendo a fazer escolhas, tomar decisões com segurança, a terem responsabilidade, determinação, perseverança, estabelecer objetivos e lutar para alcançá-los, resolver problemas, etc. Hoje, com 26 e 23 anos, a primeira, recém-casada e já bem sucedida engenheira de automação, a segunda, ainda cursando propaganda e marketing. Com alegria percebo que estão superando a mãe, e o que sinto é a tranquilidade de dever bem cumprido.
    Outro fator importante a considerar, é permitir que o filho corra atrás do seu próprio sonho, e não dos sonhos frutrados dos pais. Todo investimento em educação que os pais possam oferecer aos seus filhos, devem ser para proporcionar a eles a realização de seus próprios sonhos profissionais. E como você bem disse, começar e desistir de um curso é válido. Não é fácil para um adolescente com 16 ou 17 anos escolher com segurança a profissão que vai seguir para o “resto da vida”, não é mesmo?
    Abraço
    @elianabess

    ResponderExcluir
  9. Maria Aguiar e Eliana, muito obrigada pela visita e por deixarem a opinião de vcs!!!

    Eliana, ai, se todos os pais conseguissem colocar em práticas métodos como os seus. Ainda bem que vc os registrou aqui e espero que muitos os leiam. Gostei da lista de desejos... muito boa idéia, costumamos fazer isso como adultos, mas as cças podem e devem fazer tbm.
    Adorei!!!

    Bjs...

    ResponderExcluir
  10. Dani querida!!!!
    Sou suspeita em elogiar seu texto,mas ele diz tudo.
    É assim mesmo que tem que ser com os filhos,apenas segurar em sua mãos,mas deixar que eles dem os passos se eles tropeçam vc esta ali,mas eles conseguem se levantar.
    Sou uma das muitas mães que ficou sozinha pra educar o filho,bem na puberdade e realmente a gente erra pq acha q tem a obrigação de dar esse estudo a todo custo e tv esquece de coisas tão importantes como uma faculdade pra encaminha-los a ter uma profissão.É muito sofrido, ver q conseguimos dar uma faculdade,mas não a que eles queriam ter feito..rsrsr,mas a que deu pra fazer!Ai é que entra a necessidade de ensina_los a ser mais determinados e perceverantes.
    Mas sou grata a DEUS por ter conseguido,e pelo filho q tenho
    Qto a deixar que eles escolham seus desejos...rsrs..é tão nais simples
    Ao invéz de bater de frente com eles qdo eles estão"Insuportáveis"pergunte a eles o que estamos fazendo de errado,o que eles não gostam q a gente faça,como eles gostarima q a gente agisse?
    Filhos é assim
    "Não tente me entender;apenas me ame"
    bjus

    ResponderExcluir
  11. Betinha, eu sei bem o qto foi difícil e também vi os resultados de seus esforços! Seu filho é um exemplo de homem, apesar de ter sido tudo com muito suor, e ainda é, ele passo a passo tem encontrado recompensas. E é assim, mesmo, de pequenas conquistas e realizações e encontramos o caminho do sucesso!!! Obrigada por ter deixado aqui um pouco da sua história q com certeza fará diferença aos leitores. Bjs!!!

    ResponderExcluir

Enriqueça o post com a sua opinião e experiência sobre o assunto.